Infertilidade

infertilidade

Diferente da esterilidade, quando o casal não alcança a gravidez desejada ao fim de dois anos de vida sexual contínua sem métodos contraceptivos, a infertilidade é o resultado da disfunção (problema) dos órgãos reprodutores, podendo ser feminina ou masculina.

Quais as principais causas da infertilidade?

São muitas as causas de infertilidade. Dentre elas, destacam-se as alterações hormonais, que devem ser adequadamente diagnosticadas e tratadas pelo endocrinologista. Dentre as alterações que podem levar a infertilidade na mulher, podemos destacar: distúrbios da tireoide, hipófise e alterações ovarianas. No homem, destaca-se a infertilidade por hipogonadismo primário (alterações no testículo, na qualidade ou quantidade dos espermatozóides) ou secundário (baixa testosterona por problemas na hipófise).

Como é feito o diagnóstico da infertilidade?

O diagnóstico é complexo e envolve: história clínica detalhada, exame físico e exames complementares (de sangue e imagem).

Quais as causas endocrinológicas que podem levar a infertilidade?

São várias, dentre elas destacam-se:

  • Hipotiroidismo: com a disfunção hormonal, há muita dificuldade no processo de ovulação;
  • Aumento da prolactina: são várias as causas que podem elevar a prolactina e vão desde uso de medicações a tumores secretores do hormônio;
  • Ovários policísticos: com a síndrome dos ovários policísticos, há dificuldade na ovulação, levando ao quadro de infertilidade;
  • Baixo peso/obesidade: tanto o baixo peso como o excesso (obesidade) levam a alterações do ciclo menstrual e ovulatório;
  • Hipogonadismo: quando há deficiência hormonal, seja no homem ou na mulher.

Que tipo de tratamento deve ser indicado para a infertilidade quando a causa é hormonal?

O tratamento vai depender da causa: em se tratando do hipotiroidismo, o tratamento se baseia em reposição do hormônio. Se for excesso de prolactina, há uso de medicamentos que diminuem o nível hormonal, mas a investigação específica por um endocrinologista é fundamental. Nos casos da síndrome dos ovários policísticos, quando o intuito é a reprodução, existem medicações que induzem à ovulação e a resistência à insulina, muito presente nesta situação clínica. Para o homem, o tratamento depende da causa. Mas, de uma forma geral, há uso de medicações que elevem a testosterona, levando ao estímulo da produção de espermatozóides.

O tratamento para fertilização in vitro substitui o tratamento da alteração hormonal?

Não. Na verdade seriam complementares. Mesmo que o casal opte pela fertilização in vitro, é fundamental o diagnóstico e acompanhamento dos distúrbios hormonais até para otimizar-se os resultados.

Tema(s) relacionado(s):