Andropausa: Deficiência hormonal no homem

Andropausa

O que ocorre na andropausa?

Na andropausa há uma diminuição progressiva da produção de testosterona em homens, geralmente após os 50 anos.

A andropausa sempre ocorrera nos homens acima da idade referida acima?

Não. Ao contrário da mulher (todas as mulheres evoluem para menopausa) no homem não necessariamente este processo ocorrerá. Por outro lado, atualmente temos evidenciado uma perda hormonal em faixa etária mais nova, correlacionada a obesidade.

Quais as principais tipos de andropausa?

A andropausa, também denominada de hipogonadismo (hipo=pouco), pode ser de causa central (quando o problema está na hipófise) ou periférica (quando o problema está nas gônadas, no caso, nos testículos).

Quais os sintomas da andropausa?

Ao contrário da mulher, que tem muitos sintomas, pois há uma interrupção abrupta da produção hormonal, no homem geralmente a queda ocorre de forma muito lenta, o que não acarreta sintomas muito importantes. Justamente por isto, muitas vezes o quadro não é diagnosticado. Pode haver sintomas inespecíficos como cansaço, fadiga, sono não restaurador, redução do desejo sexual (libido) e disfunção erétil.

Que tipo de tratamento deve ser indicado para a andropausa?

A avaliação deve ser individualizada, com análise de riscos X benefícios. Dentre as opções de tratamento medicamentoso atualmente temos a reposição hormonal de testosterona por via cutânea (Axeron) ou injetável (Nebido, Durateston e Deposteron).

Quais os benefícios da reposição hormonal?

Observa-se uma melhora significativa da disposição geral e do cansaço. Normalmente há melhora do desejo sexual (libido) quando não há outros fatores contribuintes para alteração (sejam psicológicos ou outras alterações orgânicas que também levem a disfunção sexual como diabetes ou vasculopatia).

Quais os riscos?

Os riscos devem ser balanceados antes de se iniciar a reposição. O maior risco da reposição de testosterona em homens é sobre o estimulo sobre a próstata levando, muitas vezes ao seu aumento (hiperplasia prostática benigna). Assim, o seguimento conjunto do endocrinologista e urologista, torna-se necessário.

Há associação entre reposição de testosterona e câncer de próstata?

Nenhum estudo até o momento demonstrou tal associação (que a testosterona levaria ao desenvolvimento de tumor na próstata). No entanto, homens que sabidamente apresentem lesões malignas na próstata não devem receber reposição hormonal.

Tema(s) relacionado(s):